domingo, janeiro 09, 2005

Tomo em minhas mãos
o sabor da terra
do beijo que se prendeu
em lábios que não meus

Fico na inquietude
de um olhar
onde mudas são as palavras
e o depois não existe

Não sei quanto tempo
demora a espera
quando tudo é tempo
e só o hoje me visita.


2 comentários:

Boo disse...

Gostei!! :)

E neste momento identifico-me bastante com este teu poema... parabéns!! ;)

Cacau disse...

Ainda bem querida :)***