quarta-feira, fevereiro 02, 2005

I can´t take my eyes of you...

O mundo à espera. Acordo com o som que se confunde com a tua mão a afagar-me os caracóis negros, abro os olhos, fecho-os...e baixinho peço que lá estejas quando os reabrir...nada, apenas o sino a tocar e o frio a ressoar pelo meu corpo nu.

I can't take my mind of you...

Não consigo, porque não quero, e levo essa escolha comigo sempre na certeza que um dia fará sentido, que um dia estaremos com as mãos unidas e partilharei contigo tudo o que me vier à cabeça, pressentimentos, incertezas, acima de tudo que dentro de mim tudo me dizia que eu e tu estaríamos juntas, eu sei que sim... e o meu coração nas noites mais frias, sai do meu corpo e apressa-se a deitar-se junto ao teu. E sei que te faz companhia.

You'll always be the one...

E serás. Porque se não fores não ficarei mais à espera da vida, dos teus passos que se quebram em minutos, em beijos sofregos de inquietude; Deixou de me magoar o facto de estares com outras pessoas, faço o mesmo sabendo que são apenas outros corpos sem sentimentos, sem nada. Não me permito dar como me dei a ti. É errado. Eu sei que tu pensas o mesmo.
Sorriso de lua nua que voas como borboleta dançante...pelos meus seios...fecho os olhos, tenho que os fechar porque senão tomas conta de mim, e a razão chama-me com sussurros nos ouvidos. O amor é a vida, mas a vida não é o amor...Tu e eu!


You'll always be my love...

Sempre. Amo-te.

14 comentários:

Vera Cymbron disse...

Que triste! E tão bonito!
Olha...a vida é amor sim, mesmo que de mãos dadas com a dor...em desamor.
Jinhos

Tiago disse...

Que bonito, madrinha! :)
Beijo *

sotavento disse...

Tortuosos alguns caminhos!...

Gaivota disse...

O mundo à espera [ou, talvez, tu à espera]. E é fácil viver assim, sendo do mundo sem ser de ninguem. A vida é, sem duvida, uma espera infinita.
E se quando abrires os olhos não o vires a Ele... Paciencia(!)... Quem está, há de servir. Pelo menos para matar as tuas dores, em sentidos fingidos.

A verdade... A verdade é que estamos sempre a espera...

Beijo

Anónimo disse...

Bonito... simplesmente Bonito!

souuma disse...

Para palavras, já bastam estas (tuas)...

[É bom ler-te.]

Cacau disse...

ehehe Obrigada a todos :)

Com leitores destes, dá vontade de nunca parar de escrever :)

Beijinhos,

Cacau

Anónimo disse...

Continua a amar...
"O amor é a vida, mas a vida não é o amor"
Será que não???

bjs

http://cem-ideias.blogspot.com

Cacau disse...

Pois por momentos a vida não é o amor, e é melhor que assim continue a ser.

Beijinhos

Anónimo disse...

Gostei do que escreveste. Gosto da tua escrita. Gosto de sentir aquela que é a sua autenticidade, em particular, a ideia de entrega que transmite. O teu blog vai passar a ser uma garantia para mim.
Obrigada pela visita que fizeste ao meu canto. Espero ver-te por lá mais vezes.

Beijinho,

Sandra
(http://www.void.weblog.com.pt)

soldeinverno disse...

adorei... muito lindo... volto sempre.

Mestrinho disse...

Olá Cacau. Nem me lembro bem como aqui vim parar.. ehehehe.. Sabes, sem nada para fazer, explorando a net, os Blogs. Mesmo por estar a sentir falta de ler palavras bonitas... A vida é composta de amores e desamores. Percebo esse sentimento pois algumas vezes e em certas circustancias também o senti... é como uma certa frustração. Enfim. Fases, vão e vem (pelo menos comigo). Se por acaso ficares curiosa e fores a minha página, por favor, não tires conclusões erradas. Vou guardar o teu link, se não te importas.
bjos

MONALISA disse...

Escreveste uma coisa tão bonita. De uma entrega plena " não me permito dar como me dei a ti". E depois, esta música, ela própria é também uma belissima declaração de amor. Beijo e obrigada pelas tuas visitas.

Yardbird disse...

Essa frase é uma estrofe da canção que desde ontem povoa o meu blog.
O texto está muito bonito :-)