domingo, julho 31, 2005

Rasgo do meu peito a marca dos teus lábios, o tempo que o meu corpo foi templo dos teus olhos, foi visão dos dedos que desenharam palavras de uma paixão que se apagou sem ser preciso gotas de uma chuva ácida fulminante do que acreditei ser possível, do que achei ser nosso.
Hoje a chuva caiu, não limpou a dor, os maus pressentimentos que me perseguiram durante as horas roucas deste dia raso. Os teus olhos não olharam para mim da mesma maneira, o teu corpo não se aproximou do meu – o fim não saiu da minha boca, saiu da tua com a frieza que eu não sabia que existia, desse ser que agora és e que eu não reconheço, disseste que nunca mais iria acontecer algo entre nós, trocaste-me as ideias, as palavras que me tinhas dito há três dias atrás. Num mês e meio o amor que dizias sentir acabou sem rasto, sem memórias – disseste que se transformou em “adoro-te”; em dois dias a vontade que dizias ter em estar comigo, aniquilou-se porque passou a existir outro alguém e as tuas portas começam a abrir-se.
Diz-me como é que as coisas em ti mudam tanto em tão pouco tempo? Diz-me que agora ris-te da minha dor como vingança do que te causei, agora tu é que controlas não é, meu amor, agora tu é que dizes as palavras duras – sim é verdade, provocaste em mim a dor de já não ser a tal, de me ultrapassares mais rápido do que eu, de já teres substituta para te tirar do buraco negro em que te enfiaste. Não te perdoo mas não te odeio porque odiar-te significaria não te esquecer já, significaria lembrar-te vezes a mais do que mereces e isso minha querida será um troféu que não voltarás a ter. E sim o vermelho é a minha cor, é a cor do sangue que prometi a mim própria não derramar, foi a faca que limaste para a dor ser mais lenta e fria e conseguiste, mataste-me hoje mas amanhã arranco-te eu dos meus dias, das minhas palavras, do tudo o que me recorda de ti.
Quiseste ser um dia mais do que eras na minha vida, acabaste por ser o fim.

6 comentários:

soldeinverno disse...

nada no mundo merece a tua dor... jinhuz e fica bem...

Ana disse...

Olá! Obrigada por teres visitado o meu Blog! Tb gostei do teu, mas este teu último texto tem muita dor, muito sofrimento... só espero que a vida te ofereça um sorriso a cada dia que vivas. Boa sorte. Beijinhos

sotavento disse...

Uma montanha russa, a vida... :)

Anónimo disse...

Olá!
O prometido é devido...posso dizer ke o sofrimento descrito é mt duro..m a vida vai ensinar-te...mt boa escrita...:)...white_cristal

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Vera Cymbron disse...

Os fins doem demasiado...espero que estejas bem, que a dor passe rapidamente, estou por aqui quando precisares!
Jinhos