segunda-feira, setembro 05, 2005

Sufoco na tentativa de ser outra, quero mudar-me dos avessos, pendurar-me pelos ombros, quero cortar a minha pele com o espelho do meu sorriso e fazer-te ver o que tenho dentro de mim, de que sou feita neste inferno escarlate que vês, desse choro que te sai de dentro no terror que tens quando os teus olhos entram dentro dos meus e vêm o que os meus alcançam, quando o teu corpo se esvai em dor de perceberes que não é a mim que queres, que não sou o sol que queres na tua pele pálida, que simplesmente não sou a textura desejada nessa tua vida despejada de realidade, nessa ilusão que te engole a rotina e te acorda de mim.
Sufoco na tentativa de ser outra, mas os anos pesam-me em tudo e por mais que tente não me consigo moldar aos teus desejos de mulher, ao teu riso de menina, ao teu corpo de ousadia.
Sufoco mas irei aguentar o amanhã.

2 comentários:

Vera Cymbron disse...

Muito bom. Já te tinha dito que prefiro a tua prosa à tua poesia?! Pois é, parabéns! Ando a gostar da nova faceta...
Jinhos

GNM disse...

Hoje leio-te num outro estilo.
Não tens a revolta expressa nas palavras (como habitualmente), mas antes, um certo conformismo… Não te conformes!

Continua a sorrir…