domingo, março 05, 2006

Ambivalências de nós. Entregues à loucura do que não possuímos. Criámos pontes entre os nossos olhos. Plantámos raízes nos nossos corações e esquecemo-nos de as regar com amor. As estradas meu amor, subtraem-se nas nossas palavras. E tudo nos morre nas mãos. Lês-me o que não te digo quando me escondo na noite para te esquecer. Escreves-me durante o dia para te esqueceres que nas noites ausentas-te de mim. Que não somos o que queríamos ser. Que não somos o que dizemos mesmo que essa seja a verdade. A verdade que suga os sonhos das nossas veias mesmo que estas estejam vazias. És-me a mim vida. Sou-te a ti liberdade. Lambo a escuridão da tua pele como se a minha língua possuísse a cura dos teus medos. Meu amor. Minha ausência de mim. De tantas as noites que me fugiste pela boca, de tantos os pedaços de mim que violentaste. Diluis-me até eu desaparecer. Até deixar de te ser. Até eu desistir daquilo que não tenho. Até que a morte não nos separe. Plantei-te no meu coração e não te soube amar. Cobardia. Foste a única estrada que tinha o meu nome e eu nunca soube chegar até ti. Através de mim.

Agora partes. Como sempre o fizeste. Mas desta vez não irás voltar.
Desististes-me.

9 comentários:

Guilherme disse...

Que romântico!

Mestrinho disse...

Um triste post que fala de um abandono.. Um pelo menos de um sentimento desprovido de compaixão. Que triste fim. A estrada não foi perdida, a estrada continua, no caminho para o destino..
Obg, pelo comentário no meu blog

Morpheu disse...

Quantas partidas fazemos de estradas às quais demos conta um dia, normalmente tarde, de terem o nosso nome na placa à entrada... caminhos perdidos.
Por outro lado também nós já fomos a estrada em que desejamos passos alheios que de tão desatentos nos passaram ao lado...

Beijo, menina

Scorpio_Angel disse...

:)

Estradas...

AlmaAzul disse...

...encontro aqui tanto de libertação como de sufoco. Superado pela excelente escrita.

***Azuis

Vera Cymbron disse...

Estou a voltar aos poucos. A "lua de mel" foi fabulosa!
Gostei de voltar a ler-te rapariga!
Jinhos

AlexandraAlpha disse...

Triste, romântico, retornos... bah! Apenas tu minha querida!

Wakewinha disse...

Julgo que o único aspecto positivo da mágoa é mesmo o facto de nos levar a escrever coisas belíssimas. Eu sei que nada do que possa dizer te fará sair desse "buraco negro", mas o que é certo é que tem mais a perder a outra pessoa, porque na verdade os teus sentimentos por ela são lindíssimos, e a pessoa desperdiça-os...
Um beijinho grande*

Arnaert disse...

Transparente. Azul. Gostei