segunda-feira, abril 17, 2006

Devaneios II

Estradas. Estradas imensas. Viver. Saber viver. Saberei eu viver contigo? Conseguirei aprender o teu modo de vida? A tua alegria constante? Os risos hilariantes. A tua nudez colada à minha. A tua certeza do amor que por mim dizes sentir. A tua fé em mim. Acho que nunca ninguém teve tanta fé em mim. Nem eu própria. Mas tu tens. Tu acreditas. Tu acreditas que eu saberei sentir o amor da forma que tu sentes. Por mim. Unicamente por mim. Antigamente não era só por mim. Não gosto do antigamente. Não descansei enquanto não fui eu a única a ter o teu amor. E consegui. Sempre achei que não era falta de fé aquilo que eu tinha no jogo da sedução. O que me faltava na maior parte das vezes era falta de escrúpulos. Mas fé? Acreditar que conseguia conquistar quem quisesse? Nunca duvidei. Se duvidasse morreria. E agora que consegui o teu amor, sinto-me a baloiçar nas suas amarras. Saber viver a teu lado. Por vezes apetece-me fugir para bem longe. Sinto-me tão angustiada que quero fugir. Nem que fosse apenas sair do meu corpo. A minha presença por vezes satura-me. A minha voz. Os meus caracóis. Os meus seios. O sal do meu corpo. A nudez do ventre. Saturo-me que me apetece arranhar toda. Sim, gosto de sentir as unhas a cravarem-se na minha pele. Mas sem sangue. Detesto sangue. Detesto o seu cheiro. E o seu sabor. Os meus pensamentos de mim por vezes são terríveis. Mas não me assusto nem nunca tenho pesadelos.

A tua presença. Amo-te. Mas será mesmo O AMOR? Não sei. Juro-te que não sei. E faz-me confusão não saber. Não gosto das certezas dos outros. Mas gosto das minhas. Gosto de saber que passo vou dar a seguir. E calcular as suas consequências. Mais que tudo gosto de ter certezas. E porquê? Porque por vezes no meio do nada, faço tudo ao contrário. E arrependo-me sempre. E quero voltar atrás e não dá. Gosto também de escrever coisas absurdas. E gosto de misturar temas. É o que faço agora. É fácil de ver. Mas tu continuas na minha cabeça. É raro saíres. Nem que seja para eu me lembrar que o que vou fazer a seguir é um erro e pode por o que temos juntas em risco. Se me deixasses não sei como seria. Quer dizer até sei. Fodia quem me apetecesse. Fodia muito e quando me estivesse a vir dizia o teu nome. Como se te estivesse a foder a ti. Ou tu a me foderes. Não. Eu gosto mais de foder. Seria eu quem estava a foder(te).
Depois de mandá-las embora da minha cama. Bebia. Fumava. Dormia. Lamber-me-ia a pele. Tocava-me. E mandava-te para o caralho. Se me deixasses eu seria de outras mas continuaria a te foder. Nem que fosse a puta do teu juízo. Gosto-te. Fodasse. Gosto mesmo de ti.

Agora vou dormir. E vou tentar portar-me bem para que tu não me deixes. Vou ser uma menina muito bem comportada. Daquelas que adoram ser bem fodidas. Por ti.


Do you wanna fuck me tonight? All fucking night? Until I’ve come a few times?

My door is open.

15 comentários:

fairy_morgaine disse...

intenso. fantástico. delicioso.

GNM disse...

estou sem folego...
gosto desta tua ousadia!

Maria dos Açores disse...

Como sempre, adoro o que escreves... encontro-me um pouco em cada palavra escrita...

lua ( disse...

está mesmo muito intenso!!! xiçaaaa!!! até doi!

lua ( disse...

ontem comentei, mas o comentário perdeu-se, plofs!
éra só para dizer que gostei da forma intensa como te revelas :) muuuuiiiitooooo intenso, Lindo!
bjs*

Anónimo disse...

Por vezes identifico-me, por vezes repugna-me... esta mistura de sensações é divinal.
Por vezes gostaria de conhecer a pessoa que está desse lado que escreve estes textos. Por vezes fico quieta. Mas gosto imenso

Aqui :)

Bia disse...

Cuida, menina, do teu amor. Aceita, sem tanta sofisticação de linguagem, que amas. Não tenta definir este sentimento que às vezes é doloroso, porque pressupõe uma enorme generosidade. Essa que já tens, quando te prometes ser uma boa menina. Ama. E para de querer controlar o amor! Beijos. Carinhosos, quase de mãe.

Anónimo disse...

...e sem resposta...

Cacau disse...

Obrigada a todos pelos vossos comentários :) Este é um texto que me diz muito...:)

E tu que estás sem resposta...arrisca-te :)

Beijo a todos/as

Anónimo disse...

Uma porta, uma janela? (a vida é um risco)

:)

Cacau disse...

Uma rua, uma linha de metro. A vida é mais que um risco...

;)

Anónimo disse...

A vida é...? (para ser vivida) E só não digo o que a minha avó ensinou sobre a vida, porque tem asneiras pelo meio :p

;)

Cacau disse...

Então manda-me um mail com esses ensinamentos...arrisca :P

:)

Anónimo disse...

Hum... (o tico e o teco estão confusos)

:)

Mummy disse...

my baby is a slut!!