domingo, maio 28, 2006

Sete

Fecha-se mais uma porta. A sétima porta.

Quero-te contar um segredo. Tu que nunca foste uma porta. Foste apenas amarra. Apoio. Janela aberta. Abraço. Beijo. Palavras. Poesia. Tu que sempre por cá esperaste.

Quero contar-te um segredo. O meu segredo.

Menti a todas as minhas mulheres. Menti absurdamente. E menti-me a mim também.
Disse-lhes para me roubarem o coração. Que era a resposta. Que era a forma de conseguirem que as amasse. Menti. Uma. Duas. Três. Quatro. Cinco. Seis. Sete.

Não, eu não quero que me roubem o coração. Eu quero que me soltem o coração.
Quero que o façam respirar. Transpirar. Quero que o façam explodir. Com um beijo. Com um toque. Com um olhar. Quero-o vivo.

Fecha-se mais uma porta
E continuo desacreditada.

4 comentários:

sotavento disse...

Sete é um número mágico!... :)

musalia disse...

o coração não se pode roubar, não...nem prender, não...quer-se livre para poder amar.

beijinhos, Cacau :)

Morpheu disse...

Tu lembras-me sempre canções e vozes de que gosto muito: desta vez sob as tuas palavras denotei, bem baixinho mas perfeitamente perceptivel, Antony and the Johnsons:

-Yearning for more than a blue day
I enter your new life for me
Burning for the true day
I welcome your new life for me
Forgive me, Let live me
Set my spirit free


Beijos

Adryka disse...

Olá Cacuzinha, não conecia este teu cantinho, como sempre escreves posts fantásticos. Beijinhos amiguinha