terça-feira, junho 13, 2006

Partidas
É neste lugar que elas se encontram
Entre o certo e o errado
Entre a serenidade e o desejo
Entre o meu coração e o meu sexo
Entre o devaneio e a loucura

Derrames de ausências.
Afrontamento de palpitações

Faz-me as tuas questões
Enquanto os teus dedos
Me abraçam o sexo
Me puxam a língua
Que se renasce por entre os lábios
Bebendo-se em luxúria

Responderei às tuas questões
Por entre a intermitência
Que se abre em orgasmo
Que se esconde no escarlate
Que me resguarda os olhos
Que se ouve
Nos movimentos do corpo
Que se lambe em suor.

No final existe uma partida
Existe um desassossego
Existe uma peça já decorada
Existem ainda questões
Existem ainda respostas
Existo eu a sair da tua pele
Existes tu com a certeza desajustada
Que te guardei em memória.

2 comentários:

sotavento disse...

Duas vidas a palpitar em uníssono, entre a chegada e a partida!... :)

Lua Obscura disse...

São tantos
os silêncios da fala

De sede
De saliva
De suor

Silêncios de silex
no corpo do silêncio

Silêncios de vento
de mar
e de torpor

De amor

Depois, há as jarras
com rosas de silêncio

Os gemidos
nas camas

As ancas
O sabor

O silêncio que posto
em cima do silêncio
usurpa do silêncio o seu magro labor.


Maria Teresa Horta