segunda-feira, março 03, 2008

Debrucei-me sobre as memórias. Há muito tempo que não pensava em ti. Aconteceu lembrar-me porque ouvi uma gargalhada que parecia a tua. Olhei mas não eras tu. Não resisti a sorrir. É difícil resistir o que quer que seja quando me lembro de ti. Por vezes, são as lágrimas que se mostram. Hoje foi um sorriso.

Existem dois tipos de perdas. Aquelas sobre as quais não temos qualquer controlo e as que são a consequência de uma acção provocada por nós. É a diferença entre as perdas e a perda. É a diferença entre a morte e a estupidez. E podia ser também a diferença entre os acidentes e o egoísmo.
Não morreste, não foste nenhum acidente nem és uma das perdas. És a perda.
Não poderei expulsar de mim este sentido das coisas. Nem poderei algum dia esquecer que te perdi. Por um acto meu. Um acto de puro egoísmo. E agora sei que te posso dizer que já não procuro o perdão, e já não procuro um encontro contigo. O que fiz é imperdoável. E foi ao aceitar isso que percebi que os nossos caminhos já não se voltarão a encontrar. É este o resultado de quando falhamos perante os outros. Não há lugar para um segundo acto de egoísmo. E aqui a fé não pode entrar. Durante muito tempo tive essa fé. A fé do perdão. A fé de que tudo um dia iria voltar ao antes. Que te teria novamente ao meu lado e que a nossa amizade jamais se esbateria. Não é possível. Tenho que te deixar ir mesmo que na verdade estejas sempre presente. Mesmo quando não me lembro de ti.

A tua perda padece da contagem do tempo. Sobrevive-lhe e sobrevive-me a mim. Levo-te para todo o lado. A tua perda é inquestionável e irreparável.

Lembro-me quando ias assistir às minhas orais, de dizeres para ficar calma quando eu era um turbilhão de nervos. Não parava quieta. Cigarro atrás de cigarro. Dizias que tinha de ter calma e ir descontraída. Que tudo ia correr bem. E na maior parte das vezes corria, e eu sentia-me a pessoa mais feliz do mundo. E tu estavas orgulhosa de mim, da tua afilhada. Sabias, ao menos, o quanto era importante sentir-te orgulhosa de mim? Saberias ao menos isso? E ás vezes corria mal. E tu apoiavas-me e dizias que para a próxima ia correr tudo bem. E eu acreditava e na verdade corria bem. Durante cinco anos foi sempre assim.

Ensinaste-me muita coisa, acho que hoje ainda terias muito que me ensinar. E eu aprendia, devagarinho mas aprendia. E hoje em dia, quando estou triste, recordo-me das tuas palavras e aos poucos e poucos volto a mim. Deste-me bases. Acho que foste a base. Tu e a minha mãe. Devo-te muito. Devo-te a confiança que tenho em mim mesmo nos meus piores dias. Ela está sempre lá. Sei que posso fazer sempre melhor. E agora que começa uma nova fase da minha vida, por vezes, caio e tenho medo, muito medo de falhar. Cheguei à vida de adulto e tudo me parece complicado. Mas eu não te posso falhar mais nenhuma vez, portanto, eu vou conseguir, vou ser competente em todos os desafios que encontrar pela frente. E vou continuar a acreditar em mim da mesma forma como tu acreditavas.

Quero agradecer-te por sempre me teres dado o melhor de ti e teres cuidado de mim. Nunca ninguém cuidou de mim como tu cuidavas. Achei que seria impossível perder-te. Nunca pensei que houvesse sequer alguma probabilidade disso acontecer. Mas nada é garantido, não é? Agora sei-o.

Onde quer que estejas espero que estejas feliz. Eu quero que tu estejas feliz. E mesmo que não estejas pelo menos que te encontres no caminho certo.

3 comentários:

Anónimo disse...

Nunca duvides do que és e do que és capaz!
Nunca é em demasia.....

fairy_morgaine disse...

existem pessoas que nos marcam indelevelmente.
mas as pessoas que te amam vão ficar.
e conviver com os teus erros. e com os delas.

M.S disse...

Foi impossível ler este teu post sem deixar cair uma lágrima... as tuas palavras e, toda a tua "meia" história são familiares para mim.

Gostei de visitar o teu blog
Tudo de bom