segunda-feira, junho 06, 2005

"Maybe I'll find you in another place,
maybe I'll find with somebody else...(...)"
The Gift


Desfolho as páginas dos livros que leio,
tropeço nas notas das músicas que oiço
inverto a noite e o dia
atraso os ponteiros do relógio
para não me perder de mim
quando me tento esquecer do mundo

Mantenho a vela com o teu nome acesa
O trajecto do teu corpo nas minhas mãos
O teu beijo em cada cigarro que fumo
As noites que baptizámos nossas
Possuo todos os pormenores
Na esperança de te poder ter por mais um tempo

E assim continuo a acordar
Todas as manhãs
Com as tuas mensagens agora ausentes
Continuo à espera que me venhas buscar
À hora do costume, à minha porta
Quero rasgar a realidade
Para não acordar
E ver que tudo mudou

Que o ponto final na nossa história
Saiu da minha boca
E apenas havia silêncio na tua
Esse silêncio ardido em dor
Que sentia tudo
Que engoliu a seco
O amor no final da nossa estrada.

(15.05.05)

7 comentários:

Isabel disse...

Se já encontraste o mais difícil(Amor) porque acabar com tudo agora? Manda à m#rd$ a racionalidade e segue o coração... vale a pena.
Conheço-te o suficiente para saber que mereces toda a felicidade do mundo, não esperes pelas "mensagens ausentes" nem fiques à espera de nada... LUTA.
O poema está mt bom,tens uma enorme capacidade de te expressares através da poesia, tomara eu ter metade dela lol.
Um beijo grande para ti, fico à espera de novidades (das boas claro).
Isabel
P.S.- A menina não se esqueceu do filme que prometeu enviar-me por correio, pois não? :P

juana disse...

o poema está mt bom..
adorei *

Anónimo disse...

"As mensagens ausentes" são reflexo do teu pedido de espaço e tempo... Pois penso que neste momento é isso que faz sentido, e não o contrário.

Sempre te disse que sempre que precisares estou aqui, apesar de estar neste momento num papel diferente... o de amizade se assim o quiseres!

Foste, és e serás sempre alguém muito importante, mas como disseste: "o ponto final na nossa história
Saiu da minha boca
E apenas havia silêncio na tua
Esse silêncio ardido em dor
Que sentia tudo
Que engoliu a seco
O amor no final da nossa estrada."

Beijos... presentes sempre que assim o quiseres!

S.S.

Margem... disse...

Cacau,

Belissimo este poema.
Um beijo terno.

Gaivota disse...

E tantas vezes vivemos de olhos fechados, so para não vermos aquilo que fizemos da nossa vida. Tantas vezes definimos pontos finais, quando deviamos usar virgulas. tantas vezes trocamos tudo e depois é sempre tarde e nao adianta atrasar o relogio, nao adianta ficar a dormir para sempre, nao adianta nao falar disso, nem adianta fechar os olhos.

Aceitemos a dor da vida que (Sem querer ou nao) escolhemos...

Um beijo

Vera Cymbron disse...

Só te posso dizer, apesar do medo da dor que pode trazer e por experiencia propria, o amor vale sempre a pena!
Jnhos grandes...vou passando para matar saudades.

AlmaAzul disse...

Sempre se encontra algém... basta caminhar atentamente. Força.
Belo poema.
***azuis