quarta-feira, maio 10, 2006

Queima-se a pele
Com a água do vinho
Que desce
Pelos rios
Entreabertos

Do desejo.

Entornam-se os beijos
Rasgam-se os abraços
Sufocam-se os gritos
Brindam-se os orgasmos

Toca-se a pele
Desmaia-se o cansaço
Perpetua-se a loucura
Entranham-se os dedos
Vestimo-nos de prazer

Demorado
Insaciável
Nu
Descoberto
Nosso.


(Este poema foi escrito e oferecido exclusivamente para o prazer de uma mulher que apenas sabe o nome dela. Uma mulher que não é de ninguém. Uma mulher que por vezes me tem sua. Desculpa pela publicação. Mas este é o teu poema. Todo teu.)

3 comentários:

devaneios disse...

Uma homenagem merecida...!!

o poema ta lindo,

parabéns pelo blog...
=)

Anónimo disse...

Ofereço-te um sorriso, uma mão, uma amizade...
Sabes de mim e sabes-me bem...


Obrigada

Sybilla disse...

Afilhada,

Continuo a prefir ler esse poema sem as duas segundas estrofes, mas a autora é que sabe...