sexta-feira, setembro 08, 2006

Massagem sem ética

Entrámos em tua casa. Entrámos naquele espaço só teu. Percebi-te em todos os recantos. Existias em todos eles com rasgos de memórias de outras pessoas. Trocámos olhares. Trocámos sorrisos de peles quando propositadamente nos sentíamos. Levaste-me até ao teu quarto, até à tua cama que se dividia em duas. Despi-me das roupas que me prendiam o calor, pedi-te ao deitar-me para me tirares o soutien. Assim o fizeste, deixando-me a pele a palpitar de arrepios. Começaste a fazer a massagem que te pedi e que à muito estava prometida. Senti as tuas mãos a caminharem tensas pela minha pele e à medida que me queimavas os sentidos, sentia-te também com a respiração mais ofegante. Paraste por minutos, voltaste e sentas-te no outro lado da cama à minha frente. Levantei a cabeça, deixando-te anteveres os meus seios, sorriste atrapalhada. Também gosto de te ver atrapalhada e ligeiramente provocada. Pus-me novamente em posição para te sentir em mim, sabendo, que aquela massagem, tinha à porta um letreiro em que se lia “Massagem sem ética”. Continuaste a deixar-me desfrutar dos alongamentos das tuas mãos….deitaste-te em cima de mim…senti-te mais perto. Senti-te com as temperaturas elevadas. Sorri de olhos fechados, como se não estivesse a perceber nada. E sei que te perguntavas o porquê de não reagir mesmo que soubesses que o faria para te provocar. Para te começar a levar ao limite. Dizes-me ao ouvido: “esta parte não faz parte da massagem” e apetecia-me dizer-te que nada daquilo fazia parte da massagem, mas fiquei uma vez mais em silêncio. Virei-me para ti. Quis que me visses toda. Começamos na troca de provocações. Com os nossos corpos mais juntos…roubaste-me um beijo e com a minha colaboração nos confundimos. Não deixei que me beijasses mais. Sabes como gosto de controlar tudo. Sabes e gostas. Pediste-me um abraço. Disse-te que teria de ser a fingir. E demos um abraço a fingir. Sentimo-nos mais perto, sentimos os movimentos dos corpos uma da outra. Irrompeste pelos meus seios, pelos meus mamilos. E a tua respiração….tão descontrolada ao pé da minha.

- Queres sentir o meu coração? (perguntei-te com a inocência que perdi há muito)
- Sim quero.

(pego na tua mão e ponha-a no meu sexo)

- Puta!

E sou. E gosto de sê-lo contigo. Mas o meu coração principal é o meu sexo e tu que me apelidas da pessoa mais sexual que conheces, já o deverias saber.

Afastei-me de ti. Fui para o outro lado da cama. Com o sexo em fogo. Com o corpo a precisar de ser fodido. Mas não era o momento. Não seria naquele dia em que nos iríamos acontecer.

Levantei-me e comecei a vestir-me. Tiraste a t-shirt e vi os teus seios. Vestiste o soutien, e eu chamei-te para perto de mim. Tirei-to e bebi dos teus seios que me cegavam os olhos. E retomei a vestir-me. Saímos de tua casa e fomos almoçar.

Se fores à tua agenda, irás reparar que marquei outra massagem para a próxima semana.

8 comentários:

Suricata disse...

Bem....
Ainda gostava que um dia me explicasses onde é que vais buscar tanta imaginação...
Está muito giro o texto...Parabens!
Beijo!

Natalie Afonseca disse...

HUm....massagens sem ética por vezes sabe mesmo bem! :)
Sim sim!!


Beijinhos

nenhum existe disse...

Ei, isto está o máximo!!!!!!!!!!!! Está mesmo mesmo!!!!!
Sua malandreca... eh eh!
E novo foto é muito apelativa;)

Beijao de deusas:)

VacaDeFogo disse...

Escreves como me beijas.

Unicus disse...

Errótico que baste. Sensual e tentador.
Beijos

MalucaResponsavel disse...

Que quente... :) curioso, le-lo hj.. passa pelo meu cantinho e entenderas. bj

sotavento disse...

Mas ó miúda!... ;)

Prunella la Fuente disse...

. . .